Memórias de bons tempos

https://pt-br.facebook.com/fantasymasters.comu

Anúncios

B O CULTO DO URSO A CHAVE PARA O PAGANISMO

Quando eu era jovem, e eu lia meus livros sobre mitologia, ou outros contos clássicos, geralmente me parecia que tudo era uma grande mistura. Meu interesse era certo, mas eu constantemente sentia que essas histórias eram lidas pela superfície, e mesmo analisando os textos, eu deixava escapar alguma coisa.

Possivelmente a chave foi encontrada por algumas pessoas iluminadas, ainda na antiguidade, e talvez foi apagada pelos séculos com a era negra trazida pelo Cristianismo na Europa. Talvez tenha desaparecido entre os Egípcios. Talvez era mantido um segredo? Talvez era uma falta de substância que permitiu ao Cristianismo colonizar a Europa, porque o paganismo se tornou (primeiramente no Sul da Europa).

Eu não sei. Está claro que de qualquer forma isso está refletido hoje por toda parte. Hoje, defensores do paganismo são frequentemente vaiados devido a essa falta de substância, e algumas vezes e devido a essa filosofia aprece um animismo primitivo. Eu sou muito melhor em resolver charadas abstratas ou concretas, do que escrever, ou mesmo falar, mas eu quero explicar essa chave porque eu quero que a filosofia pagã, que está em cada um de nós, que está disseminada no hemisfério norte ou onde os Neandertais viveram, é novamente entendido e pode ressuscitar.

É aqui que deve terminar cada uma dessas escritas e é por isso que foram escritas.

Você entenderá como e porque todos os mitos ancestrais Europeus (e muitos Asiáticos ou Americanos), e as seguintes histórias dizem a mesma coisa:
Chapeuzinho Vermelho, A Bela Adormecida, Branca de Neve, João e o pé de feijão, A Bela e a Fera, Rapunzel, Cinderela, Hansel and Gretel, Pinocchio, the Little Match Girl, Tom Thumb, e muitos outros…
O mesmo para Perceval …
O mesmo para celebrações cuja importância é ainda muito grande hoje, como o Natal ou Halloween.
O mesmo para, de fato, toda mitologia Europeia e Egípcia.

E é claro, como você percebe, o mito de Atlântida, e o culto do touro / vaca, inscrevem elas mesmas na explicação dada pelo culto do urso e não podem existir sem ela.
O culto do urso explicará a relação que os pagãos tiveram com as árvores, ou outras coisas remanescentes como o labirinto, dolmens e menhirs e é claro as pirâmides, também explicará as pinturas em pedra encontradas nas cavernas e seus papéis, explicará as coroas de flores, as sirenes, a emergência das jóias, ou mesmo o papel da música, ou dos rosários religiosos. Obviamente explicará porque você ganhou um ursinho de pelúcia quando criança, et cetera.

1. Porque o Urso?

O culto do urso pode ser totalmente desconhecido para você, ainda está escondido em todas as nossas tradições. Desde que foi descoberto pro alguns autores e Pré-Históricos é de uma imensa importância que nunca foi medida. A Igreja tem, desde sua chegada na Europa, aplicado a si mesma a limpar e transformar ou simplesmente assassinar a reputação do protagonista, se não exterminá-los fisicamente.

O culto do urso, animal do hemisfério Norte, é indubitavelmente a “religião” mais velha de que se tem conhecimento, a religião do Neandertal, ou pelo menos o jovem híbrido (min. de 80,000 anos). A Wikipédia devotada aos Ursos na cultura lhe darão uma breve introdução para o que eu quero defender aqui (em francês)

http://fr.wikipedia.org/wiki/Ours_dans_la_culture

Desde que falamos do culto do Urso, perece útil que nós paremos um pouco no animal per se, para entender porque ele tem qualidades especiais que o fazem um animal único.

a. Um animal antropomórfico

Sua imagem se transformou devido a Igreja para fazer um animal rústico, estúpido e ganancioso, e é por isso que nós devemos olhá-lo com novos olhos. O trabalho de demolição começou pela influência da Igreja não deve nos influenciar.

O Urso representa muitas qualidades específicas. Primeiro de tudo, mas não menos importante, seu corpo é muito “humano”. Ele deita e senta da mesma maneira. Ele sabe como segurar e mesmo caminhar com duas pernas ele haje tão suspeitosamente similar como um humano com suas “mãos” ou longas garras que frequentemente são usadas como dedos ou ferramentas, ele brinca com seus filhotes e mesmo os adverte de uma maneira incrivelmente similar.

Uma ursa da luz a um ou dois filhotes, no máximo três, como os humanos, e ela os amamenta da mesma maneira, e cuida deles por muito tempo para o reino animal (3 anos). O filhote nasce e é incrivelmente imaturo, assim como os bebes humanos e as súplicas do bebê humano.

http://www.youtube.com/watch?v=OwZH_aT0FGI
http://www.youtube.com/watch?v=CbILj_CYqno
http://www.youtube.com/watch?v=RXb9kOO8Lzs
http://www.youtube.com/watch?v=lTMwrAefIVQ

Amizade entre cães e o urso polar:

http://www.youtube.com/watch?v=MBmzTn4w3yM

Um urso resgata seu filhote:

http://www.dailymotion.com/video/xd8tz5_maman-ourse-sauve-son-petit-mum-be_animals

O urso come o mesmo que nós, e é dito nesse contexto de onde o urso pode viver, onde o ser humano pode viver. Seu gosto por doces é lendário, assim como o nosso (…). É a mesma visão de nós, que pode ser dito, eles veem cores, mas não tem uma boa visão noturna.

Escuta similarmente a nós, seu rabo é quase inexistente e seu pé é chato, suas pegadas são também, comparados a muitos outros animais, bem similares a nós, especialmente quando as garras não são visíveis.
Como nós, é um animal cuja defesa pode ser violenta e fatal mas o qual sempre ataca por qualquer migalha de comida. Ele sabe como abraçar da mesma maneira que nós, cara a cara com seus braços.

O Urso é conhecido por usar ferramentas na âmbito do que suas mãos permitem. Longe de ser estúpido, ele sabe como abrir caixas, abrir tendas, arrebentar garagens, etc..
Como o homem, ele gosta de cavernas e outras tocaias de pedra. De homem a homem, a maior ameaça ao urso (o homem de fora) é o urso por si só.

Note que este comportamento “humano” era muito mais visível quando os humanos foram mais ligados à natureza e eram cobertos de peles …

Se dissermos que sem dúvida a ciência moderna é uma crença análoga aos chimpanzés, ainda totalmente alienado a nossa cultura, então nós podemos entender que os seres humanos antigos eram identificados com o urso.

b. A extraordinária reprodução do urso

Seguindo com as características antropomórficas, o urso tem habilidades muito naturais. Como a reprodução funciona é única. A ursa acasala com diferentes machos durante a temporada quente. É notável que os acasalamentos são longos e podem durar até 30 minutos. É claro, ela apenas aceita os machos mais robustos e lutadores, assim como no resto do reino animal. Seguindo esses acasalamentos, os óvulos da ursa fertilizam e os embriões são criados, mas seu desenvolvimento é imediatamente parado.

A ursa começa seu desenvolvimento se ela engordou o suficiente antes do inverno, e ela desenvolverá o número de embriões compatível com sua capacidade. Talvez ela manterá embriões de um ano para outro. Ela é uma espécie de freezer d embriões, ela mantém s embriões da temporada morna ao outono em um estado único no mundo, entre a vida e a morte. A originalidade não para por aí, desde que se acredita que a fêmea pode “escolher” quais embriões ela decidirá desenvolver.

A gravidez começa novamente em novembro (durante as glaciações precoces, como nos ursos polares: fim de outubro) e com o parto em janeiro / fevereiro (dezembro / janeiro, a saída dos filhotes na primavera ou antes.
Logo depois do parto, os filhotes de urso que são mais imaturos são lambidos (assim como os bebês humanos), para fazê-los viver (assim como no termo francês “ser um urso deslambido [NT.: desmamado?]”). É feito tradicionalmente o mesmo com os bebês humanos que não choram ao nascer: eles são apalpados nas costas para expelir o fluido amniótico e poder respirar.

Você provavelmente está começando a entender onde chegaremos …
Essa habilidade foi sem dúvidas já familiar com nossos ancestrais mais distantes, que viveram perto dos ursos, e manterão um amplo conhecimento do mundo ao seu redor.

O esquema da vida do urso é tão perto da dos humanos que ele provavelmente é seu primeiro ancestral quando coletando ervas, grão e frutas comestíveis, ou procurando e coletando mel, caçando ou pescando, se aquecendo ao sol no verão ou se protegendo no inverno. É como nos seres humanos da Era do Gelo que quase tiveram a mesma técnica do urso para passar o verão quietamente: eles provavelmente engordavam no verão, e comiam menos no inverno, quando havia menos comida.

É ainda possível que nossos ancestrais tiveram uma temporada racial programada artificialmente mesmo fisicamente determinada por um anestro sazonal (carência de ovulação) para prevenir os nascimentos no inverno e a favor na primavera sendo esse o caso de muitos animais do hemisfério norte.. Assim o ancestral gradualmente desaparece com a domesticação, como vimos anteriormente.

c. Terrível e maternal

O urso tem uma habilidade adicional. É tanto um animal (ou o mais) terrível, e as vezes o mais cruel, como também é o mais protetor e um dos mais dóceis.

Deve ser lembrado que em torno de -10,000 (começo do período morno) viveram na Europa diferentes raças de ursos marrons, mas também o urso das cavernas, o mais largo urso. Maior que o urso polar, mas também maior do que o urso Kodiak (que é um dos ursos modernos mais largos, e o predador terrano mais largo), seu tamanho era absolutamente incrível. Ursos podem correr rápido e matar um bisonte se quiser, ele pode matá-lo com uma garrafa, ele tem garras de 10cm (Ursos Kodiak), você sufocará se ele lhe abraçará… E ainda, é uma fera tranquila, comendo em maioria plantas, e se você não se aproximar ou não incomodá-lo, ele provavelmente não lhe atacará. De fato, exceto o urso polar, que é uma exceção, o urso que não vê os humanos como uma presa.

Urso Kodiak:

É dito que apenas uma morte devido ao urso Kodiak, o maior de todos, e esse urso estava apenas se defendendo de um caçador. Esses ursos sempre tendem a evitar humanos.

O urso macho é conhecido por ser apto a matar os filhotes de uma fêmea se ele não for seu pai. O urso é apavorante mesmo para os ursos, e a fêmea deve ser impecável e uma mãe muito protetora (mas também agressiva) para evitar esse tipo de acidente.
Então todo lugar ilustrou essa dualidade: o terrível colosso, o ogro que come crianças (…) e o grande ursinho de pelúcia.

Autora: Marie Cachet

Post completo: The cult of the bear: the key to paganism